A CAPACITAÇÃO DOS PAIS É ESSENCIAL PORQUE:

Os pais são a única constante na vida dos filhos

O seu isolamento é grande

A partilha de informação (profissionais/pais) é escassa (modelo do especialista é ainda o mais comum)

As decisões não estão nas mãos dos pais

As suas expetativas vão diminuindo à medida que a idade dos filhos aumenta

O desconhecido é sempre temido (preferem soluções tradicionais não inclusivas)

 

Este projeto pioneiro foi aprovado no concurso promovido pelo Alto Comissariado para a Saúde em Maio de 2010 e teve cofinanciamento da Fundação Calouste Gulbenkian. Contou também com a parceria do ISPA – Instituto Universitário.

O projeto Oficinas de Pais/Bolsas de Pais foi pensado para apoiar famílias de crianças com necessidades especiais e para as ajudar na exigente tarefa de educar estas crianças, participando ao máximo na sua vida e promovendo a sua plena inclusão social.

A participação dos pais inicia-se sempre pelo Nível 1 – Grupos de Apoio Emocional (GAE) em que se pretende que diferentes mães e pais se encontrem com os seus pares para troca de experiências, aprendendo a gerir as suas emoções e a compreender os efeitos do/a filho/a com deficiência na sua família, conseguindo assim identificar problemas e necessidades para que, posteriormente, possam encontrar as respostas mais adequadas.

Os GAEs decorrem em 7 sessões, a primeira e a última de 4 horas e as 5 intermédias de 2h. O horário será acordado com todos os inscritos. De acordo com a zona de residência da maioria, será escolhido um local com as condições necessárias – uma sala para as reuniões e uma sala para os filhos que venham estarem com os voluntários que possam “tomar conta deles”.

Os pais poderão, depois, integrar um 2º nível – Grupos de Fortalecimento e Co-responsabilização (COR) em que se visa a aquisição de competências adequadas à gestão responsável do processo de educação e inclusão social do/a filho/a, qualquer que seja a sua idade e o tipo de incapacidade.

O 3º nível – Pais Prestadores de Ajuda (PAA) foi dedicado ao autoconhecimento e à reflexão/aprendizagem teórico-prática sobre a forma como se ajudam outros, tendo sido progressivamente construído, por todos, um documento orientador “Como caracterizar uma boa prestação de ajuda”.

O projeto Oficinas de Pais/Bolsas de Pais decorreu entre Março de 2011 e Outubro de 2014.

Realizaram-se 60 Grupos de Apoio Emocional GAEs em que participaram 547 pais em 14 distritos.

Realizaram-se 14 Grupos de Corresponsabilização Parental COR em que participaram 145 pais em 9 distritos.

Realizou-se 1 Grupo de Formação de Pais Prestadores de Ajuda (PPA) em que participaram 15 pais.

Em 2015 foi lançada a publicação “Redes que os pais tecem”, que pode ser encomendada através do e-mail: geral@paisemrede.pt

Em 2016 reiniciaram-se as Oficinas de Pais, em estreita colaboração com os Núcleos da Associação. Desde essa data houve GAEs em Guimarães, Almada, Odemira, Sintra e Lisboa, e CORs em Sintra e Lisboa. Participaram cerca de 120 pais.

Interessado em participar? Contacte-nos através de  oficinasdepais@paisemrede.pt

Desejamos continuar a expandir as Oficinas de Pais para uma maior cobertura nacional, nomeadamente dos distritos de Portalegre, Guarda e Ilhas. Temos muitas famílias a aguardar novas Oficinas. 

Ajude-nos a promover as Oficinas de Pais. Um donativo de €70 garante a participação gratuita de um pai/mãe nas 7 sessões do GAE.  

Quero apoiar